Exercício de significação de palavras

É muito comum as pessoas confundirem o uso dos porquês. Mais ainda é confundir palavras parônimas. Não sabe o que é isso? Recomende que visite meu blog chamado Análise de Textos e veja por lá do que é que estou falando. Mas se você já souber, pode praticar um pouco fazendo esses cinco exercícios sobre significação de palavras que posto abaixo. Você poderá ainda conferir o gabarito ao final. Bons estudos.

EXERCÍCIO DE SIGNIFICAÇÃO DE PALAVRAS

1) Selecione a alternativa que preenche corretamente as lacunas.

- Você não quer vir conosco, e não diz o ........ da recusa.
- Quer mesmo saber ........? Simplesmente ........ não tenho um centavo no bolso.

a) por que - porque - porque
b) por que - porquê - por que
c) por quê - porquê - porque
d) porque - por que - por que
e) porquê - por quê – porque

2) ... se decida a pedir a este rio (...)
QUE me faça aquele enterro (...)
... e aquele acompanhamento
de água QUE sempre desfila
(QUE o rio, aqui no Recife,
não seca, vai toda a vida).

Nas ocorrências assinaladas, a partícula QUE serve, RESPECTIVAMENTE, para

I. introduzir um complemento para DECIDA; referir a ÁGUA o ato de DESFILAR, introduzir uma justificativa para o uso de SEMPRE.
II. introduzir um complemento para DECIDA; estabelecer uma relação com AQUELE; introduzir uma justificativa para o uso de AQUI.
III. introduzir um complemento para PEDIR; referir a ACOMPANHAMENTO o ato de DESFILAR, introduzir uma justificativa para o uso de SEMPRE.

Em relação ao texto, está correto apenas o que se afirma em
a) I.
b) I e II.
c) II e III.
d) II.
e) III.

Conheça também o blog QUERO APRENDER PORTUGUÊS. Um blog de Língua Portuguesa, mas nem parece que é!

3) "Na ata da reunião, registraram-se todas as opiniões dos presentes."

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a classificação da partícula se, na frase acima.
a) índice de indeterminação do sujeito
b) pronome reflexivo (objeto direto)
c) partícula apassivadora
d) conjunção subordinativa integrante
e) palavra de realce

4) lndique a opção cuja forma não será utilizada para completar a frase a seguir:

Vemo- ________ raramente por aqui. _________ poucas vezes em que a vimos, sequer chegou ________ tempo de participar das cerimônias _________ que fora convidada _________ cerca de quatro meses.

a) Artigo definido feminino no plural.
b) Contração de preposição com artigo feminino.
c) Preposição.
d) Verbo 'haver' na terceira pessoa do singular.
e) Pronome oblíquo átono.

5) SOBRE ARTES E ARTISTAS

"Uma coisa que realmente não existe é aquilo a que se dá o nome de Arte. Existem somente artistas. Outrora, eram homens que apanhavam terra colorida e modelavam toscamente as formas de um bisão na parede de uma caverna; hoje, alguns compram suas tintas e desenham cartazes para os tapumes; eles faziam e fazem muitas outras coisas. Não prejudica ninguém chamar a todas essas atividades arte, desde que conservemos em mente que tal palavra pode significar coisas muito diferentes, em tempos e lugares diferentes, e que Arte com A maiúsculo não existe. Na verdade, Arte com A maiúsculo passou a ser algo de um bicho-papão e de um fetiche. Podemos esmagar um artista dizendo-lhe que o que ele acaba de fazer pode ser muito bom no seu gênero, só que não é "Arte". E podemos desconcertar qualquer pessoa que esteja contemplando com prazer um quadro, declarando que aquilo de que ela gosta não é Arte, mas algo muito diferente. Na realidade, não penso que existam quaisquer razões erradas para se gostar de um quadro ou de uma escultura. Alguém pode gostar de uma paisagem porque ela lhe recorda seu berço natal, ou de um retrato porque lhe lembra um amigo. Nada há de errado nisso. (...) Somente quando alguma recordação irrelevante nos torna parciais e preconceituosos, quando instintivamente voltamos as costas a um quadro magnífico de uma cena alpina porque não gostamos de praticar alpinismo, é que devemos perscrutar o nosso íntimo para desvendar as razões da aversão que estraga um prazer que de outro modo poderíamos ter. Há razões erradas para não se gostar de uma obra de arte."
E. H. Gombrich

Nas orações "e QUE Arte com A maiúsculo não existe" e "o QUE ele acaba de fazer...", as palavras em maiúsculo funcionam respectivamente como:
a) conjunção integrante e pronome relativo
b) pronome relativo e pronome relativo
c) conjunção integrante e conjunção integrante
d) pronome relativo e conjunção integrante
e) conjunção aditiva e pronome demonstrativo

 

GABARITO DOS EXERCÍCIOS DE SIGNIFICAÇÃO DE PALAVRAS

1-E, 2-E, 3-C, 4-A, 5-A

Exercícios sobre substantivo – Análise morfológica

Existe uma certa dificuldade por parte dos alunos com exercícios de análise morfológica. Isso ocorre porque é comum acontecer de as palavras mudarem de classe gramatical em determinados contextos. A isso dá-se o nome de derivação imprópria. Abaixo você encontrará alguns exercícios de análise morfológica sobre substantivo.

EXERCÍCIOS DE ANÁLISE MORFOLÓGICA

EXERCÍCIOS SOBRE SUBSTANTIVO

1) (MACK) - Aponte a incorreta: 
a) Grã-duquesas, altares-mores.
b) Vaivéns, os leva-e-traz.
c) Flores-de-lis, navios-escola.
d) Malmequeres, bem-te-vis.
e) Aves-marias, guarda-noturnos.

2) (UBERLÂNDIA) - Dentre os plurais de nomes compostos aqui relacionados, há um que está errado. Qual?
a) Escolas-modelo
b) Quebra-nozes
c) Chefes-de-seções
d) Guardas-noturnos
e) Redatores-chefes

3) (ITA) - Indique a frase correta:
a) Mariazinha e Rita são duas leva-e-trazes.
b) Os filhos de Clotilde são dois espalhas-brasas.
c) O ladrão forçou a porta com pés-de-cabra.
d) Godofredo almoçou duas couves-flor.
e) Alfredo e Radagásio são dois gentil-homens.

4) (UFF) - Assinale a única série de duplas singular-plural em que existe uma forma incorreta:
a) Cidadão - cidadões
b) Cônsul - cônsules
c) Projetil - projetis
d) Corrimão - corrimões
e) Olho-de-sogra - olhos-de-sogra

5) (Uff 1999) - 1 Educai o coração da mulher, esclarecei seu intelecto com o estudo de coisas úteis e com a prática dos deveres, inspirando nela o deleite que se experimenta ao cumpri-los; purgai a sua alma de tantas nocivas frivolidades pueris de que se acha rodeada mal abre os olhos à luz.
2 Cessai aqueles tolos discursos com os quais atordoais sua razão, fazendo-a crer que é rainha, quando nada mais é que a escrava dos vossos caprichos. Não façais dela a mulher da Bíblia; a mulher de hoje em dia pode sair-se melhor do que aquela; nem muito menos a mulher da Idade Média: da qual estamos todas tão distantes que não poder-nos-ia servir de modelo; mas a mulher que deve progredir com o século dezenove, ao lado do homem, rumo à regeneração dos povos.
3 Guarde-se bem o homem de ter a mulher para seu joguete, ou sua escrava; trate-a como uma companheira da sua vida, devendo ela participar de suas alegres e tristes aventuras; considere-a desde o berço até seu leito de morte, como aquela que exerce uma influência real sobre o destino dele, e por conseguinte sobre o destino das nações; dedique-lhe, por último, uma educação como exige a grande tarefa que ela deve cumprir na sociedade como o benéfico ascendente do coração; e a mulher será como deve ser, filha e irmã dedicadíssima, terna e pudica esposa, boa e providente mãe.
(1859) FLORESTA, Nísia. Cintilações de uma alma brasileira. Florianópolis/ Santa Cruz: Ed. Mulheres/ Ed. Da UNISC, 1997. p. 115-7.

Na flexão dos diminutivos, o uso coloquial, com freqüência, se diferencia do uso prescrito pela gramática normativa.
Assinale o par de palavras em que os DOIS USOS ocorrem:
a) colherzinhas - florzinhas
b) mulherzinhas - coraçõezinhos
c) florezinhas - mulherezinhas
d) mulherzinhas - coraçãozinhos
e) colherezinhas - floreszinhas

6) (Uece 1996) - PARA QUEM QUER APRENDER A GOSTAR

01 "Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar: aprenda a fazer bonito o seu amor. Ou fazer o seu amor ser ou ficar bonito. Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito. Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender.
02 Tenho visto muito amor por aí. Amores mesmo, bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva. Mas esbarram na dificuldade de se tornar bonitos. Apenas isso: bonitos, belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção. Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.
03 Aí esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais de repente se percebem ameaçados apenas e tão-somente porque não sabem ser bonitos: cobram, exigem; rotinizam; descuidam; reclamam; deixam de compreender; necessitam mais do que oferecem; precisam mais do que atendem; enchem-se de razões. Sim, de razões. Ter razão é o maior perigo do amor. Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem) de reivindicar, de exigir justiça, eqüidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão. Nem queira. Ter razão é um perigo: em geral enfeia o amor, pois é invocado com justiça, mas na hora errada. Amar bonito é saber a hora de ter razão.
04 Ponha a mão na consciência. Você tem certeza de que está fazendo o seu amor bonito? De que está tirando do gesto, da ação, da reação, do olhar, da saudade, da alegria do encontro, da dor do desencontro a maior beleza possível? Talvez não. Cheio ou cheia de razões, você espera do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer. Quem espera mais do que isso sofre, e sofrendo deixa de amar bonito. Sofrendo, deixa de ser alegre, igual, irmão, criança. E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.
05 Não tema o romantismo. Derrube as cercas da opinião alheia. Faça coroas de margaridas e enfeite a cabeça de quem você ama. Saia cantando e olhe alegre. Recomendam-se: encabulamentos, ser pego em flagrante gostando; não se cansar de olhar, e olhar; não atrapalhar a convivência com teorizações; adiar sempre, se possível com beijos, 'aquela conversa importante que precisamos ter'; arquivar, se possível, as reclamações pela pouca atenção recebida. Para quem ama, toda atenção é sempre pouca. Quem ama feio não sabe que pouca atenção pode ser toda a atenção possível. Quem ama bonito não gasta o tempo dessa atenção cobrando a que deixou de ter.
06 Não teorize sobre o amor (deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida como a criança de nariz encostado na vitrina cheia de brinquedos dos nossos sonhos); não teorize sobre o amor; ame. Siga o destino dos sentimentos aqui e agora.
07 Não tenha medo exatamente de tudo o que você teme, como: a sinceridade; não dar certo; depois vir a sofrer (sofrerá de qualquer jeito); abrir o coração; contar a verdade do tamanho do amor que sente.
08 Jogue por alto todas as jogadas, estratagemas, golpes, espertezas, atitudes sabidamente eficazes (não é sábio ser sabido): seja apenas você no auge de sua emoção e carência, exatamente aquele você que a vida impede de ser. Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs. Falando besteira, mas criando sempre. Gaguejando flores. Sentindo o coração bater como no tempo do Natal infantil. Revivendo os carinhos que intuiu em criança. Sem medo de dizer eu quero, eu gosto, eu estou com vontade.
09 Talvez aí você consiga fazer o seu amor bonito, ou fazer bonito o seu amor, ou bonitar fazendo o seu amor, ou amar fazendo o seu amor bonito (a ordem das frases não altera o produto), sempre que ele seja a mais verdadeira expressão de tudo o que você é, e nunca: deixaram, conseguiu, soube, pôde, foi possível, ser.
10 Se o amor existe, seu conteúdo já é manifesto. Não se preocupe mais com ele e suas definições. Cuide agora da forma. Cuide da voz. Cuide da fala. Cuide do cuidado. Cuide do carinho. Cuide de você. Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz."
(TÁVOLA, Arthur da. "Para quem quer aprender a amar". In: COSTA, Dirce Maura Lucchetti et al. "Estudo de texto: estrutura, mensagem, re-criação". Rio, DIMAC, 1987. P. 25-6)

Conforme o contexto, está classificada corretamente a palavra:
a) "olhar", parágrafo 4: verbo
b) "pouca", parágrafo 5: advérbio
c) "você", parágrafo 8: substantivo
d) "suficiente", parágrafo 10: adjetivo
e) n.d.a.

7) (Uelondrina 1999) - A palavra em destaque está INCORRETAMENTE flexionada na frase:
a) QUAISQUER que fossem as medidas, ele as impugnava.
b) Os BEIJA-FLORES aí estão, desfrutando a primavera.
c) Os móbiles estavam presos por CORDELZINHOS.
d) São BEIJOS-DE-FRADE - explicou-me, apontando as ervas.
e) Dois dos GUARDA-ROUPAS estavam infestados de cupins.

8) (Cesgranrio 1998) - Texto: "Sobre o Amor"

1 (...) Ele diz: Eu te amo. E o que a gente ouve não é: "Eu te amo tanto quanto posso dentro das limitações dessa relação e desse meu momento de vida, dentro das minhas próprias limitações, dos meus medos e dos meus fechamentos. "A gente ouve: "Eu te amo totalmente, para sempre, sem que nada, antes ou depois do nosso encontro, supere esse sentimento." Ele fala de si, e nós ouvimos o cosmos. Ele fala do hoje, e nós entendemos o eterno.
2 A culpa é nossa, então, por ouvirmos errado? Não. Ele também, ao falar dentro da sua pequena dimensão humana, está se iludindo com as grandes medidas. Ao dizer "eu te amo", assume o papel do grande amante, torna-se o amor absoluto encarnado.
3 (... ) em matéria de sentimentos, essa noção acaba sendo l@ subjetiva. O amor que é absoluto para mim pode não sê-lo para a pessoa à qual é dirigido. E isso porque, enquanto minha emoção amorosa me preenche por inteiro, dando-me a impressão de que não existe mais possibilidade de amor além dela, o objeto do meu amor, que, por razões pessoais, não se sente por ele preenchido, pode considerá-lo insuficiente e, como tal, bem aquém do absoluto.
4 Além do mais, o amor não é inelutável. Não podemos viver sem ter nascido, nem podemos viver sem vir a morrer. Mas, apesar das nossas fantasias em contrário, podemos perfeitamente viver sem grandes amores, coisa que, aliás, acontece com a maioria das pessoas. O amor é parte da vida, mas apenas uma parte, e nem de leve tão indispensável quanto, digamos, a alimentação. À luz da realidade mais imediata, e, por mais que a idéia nos desagrade, o amor é uma necessidade menor.
5 Nem o amor é uma experiência única. A quase totalidade das pessoas abriga em sua vida diversos amores. E, embora o tempo e o distanciamento afetivo acabem por diluir nossa capacidade de revivê-los por completo na lembrança, conservamos, se não a emoção, pelo menos o registro daquela intensidade. Assim, a lembrança dos amores passados é vencida para permitir o acontecimento de novos amores, mas não é apagada.
6 Apesar disso tudo, e, apesar de sabermos disso tudo, continuamos querendo o amor absoluto. Mas há mais um empecilho na rota da sua conquista: a exigência da reciprocidade.
7 Em termos literádos, um grande amor pode existir mesmo sem resposta; o amante suspira na sombra, se acaba de paixão, sem que o objeto de seus sonhos lhe dirija mais do que um olhar. Mas na vida real o que queremos, para que o amor se complete física e efetivamente, é que o outro também nos ame. E achamos que nosso amor só se transformará realmente num amor absoluto, na medida em que a intensidade do amor do outro for gêmea idêntica da nossa intensidade.
8 O amor não é mensurável. A duras penas sabemos do nosso próprio amor, quanto mais daquele do outro. O que acostumamos fazer para resolver o impasse é medir o amor do outro usando o nosso próprio amor como metro. Ele diz "eu te amo". Nós respondemos "eu também te amo". E deduzimos que as duas coisas são idênticas e que aquele amor, como a vida e a morte, representa um todo, como elas indissolúvel, e, portanto, como elas, absoluto. Está demonstrado o teorema, como se queria.
9 Um perigoso teorema, na verdade. Porque, em cima dele e da sua inconsistência, começamos a construir justamente aquele castelo que queríamos mais sólido e mais seguro.
Marina Colasanti. E por falar em amor (com adaptações).

Assinale a frase em que a classe gramatical da palavra ou expressão em destaque está correta.
a) "E O que a gente ouve não é:" (par.1) (pronome substantivo oblíquo).
b) "... sem que NADA (...) supere esse sentimento." (par.1) (advérbio de negação)
c) "Ele fala do HOJE, e nós entendemos o eterno." (par.1) (substantivo).
d) "enquanto minha emoção amorosa me preenche POR INTEIRO..." (par.1) (locução prepositiva).
e) "...para que o amor se complete física e efetivamente..." (par.7) (adjetivo)

9) (Uelondrina 1995) - Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

É nas ..... do Palácio que ocorrem, por motivos ....., as disputas do poder de influência sobre o Presidente.
a) antes-sala - quaisquer
b) ante-salas - qualquer
c) antes-salas - quaisquer
d) antes-salas - qualquer
e) ante-salas – quaisquer

GABARITO PARA EXERCÍCIOS SOBRE SUBSTANTIVO

Você poderá baixar este e muitos outros exercícios de Gramática no blog de Downloads de Língua Portuguesa. Visite-o.

Exercício de figuras de linguagem [comentado]

Abaixo você poderá fazer dois ótimos exercícios sobre figuras de linguagem. Estes vêm com gabarito e com um pequeno comentário para que você entenda melhor a escolha das respostas.

EXERCÍCIO SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM COM GABARITO

1. “Naquela terrível luta, muitos adormeceram para sempre”, há:
a) pleonasmo
b) eufemismo
c) anacoluto
d) polissíndeto
e) assíndeto

2. Na frase: “Todos somos os fios do tecido”, há um exemplo de:
a) metonímia
b) metáfora
c) pleonasmo
d) eufemismo
e) hipérbole

GABARITO E COMENTÁRIO DOS EXERCÍCIOS

1. Resposta: B

Comentário: Eufemismo, como eu disse no post “Como criar uma imagem boa de algo ruim”, é uma figura que consiste em abrandar uma expressão desagradável. Assim, “muitos adormeceram para sempre” significa morreram.

2. Resposta: B

Comentário:  Metáfora é uma figura semântica que emprega um termo com significado de outro, a partir de uma comparação subentendida.

10 exercícios sobre figuras de linguagem

Publiquei no blog Quero Aprender Português um post falando sobre uma figura de linguagem bastante usada no cotidiano: o EUFEMISMO.

Visite o post “Como criar uma imagem positiva de algo ruim”.

Conhecer as figuras de linguagem é essencial para fazer interpretações de texto corretas. Mais que isso, apura a sensibilidade do leitor para a compreensão correta daquilo que lê no cotidiano. Abaixo você encontrará 10 exercícios de vestibular sobre figuras de linguagem. Dentre eles, alguns sobre eufemismo.

EXERCÍCIOS DE VESTIBULAR SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM

01. (VUNESP) No trecho: "...dão um jeito de mudar o mínimo para continuar mandando o máximo", a figura de linguagem presente é chamada:
a) metáfora
b) hipérbole
c) hipérbato
d) anáfora
e) antítese

02. (PUC - SP) Nos trechos: "O pavão é um arco-íris de plumas" e "...de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira..." enquanto procedimento estilístico, temos, respectivamente:
a) metáfora e polissíndeto;
b) comparação e repetição;
c) metonímia e aliteração;
d) hipérbole e metáfora;
e) anáfora e metáfora.

03. (PUC - SP) Nos trechos: "...nem um dos autores nacionais ou nacionalizados de oitenta pra lá faltava nas estantes do major" e "...o essencial é achar-se as palavras que o violão pede e deseja" encontramos, respectivamente, as seguintes figuras de linguagem:
a) prosopopéia e hipérbole;
b) hipérbole e metonímia;
c) perífrase e hipérbole;
d) metonímia e eufemismo;
e) metonímia e prosopopéia.

04. (VUNESP) Na frase: "O pessoal estão exagerando, me disse ontem um camelô", encontramos a
figura de linguagem chamada:
a) silepse de pessoa
b) elipse
c) anacoluto
d) hipérbole
e) silepse de número

05. (ITA) Em qual das opções há erro de identificação das figuras?
a) "Um dia hei de ir embora / Adormecer no derradeiro sono." (eufemismo)
b) "A neblina, roçando o chão, cicia, em prece. (prosopopéia)
c) Já não são tão freqüentes os passeios noturnos na violenta Rio de Janeiro. (silepse de número)
d) "E fria, fluente, frouxa claridade / Flutua..." (aliteração)
e) "Oh sonora audição colorida do aroma." (sinestesia)

06. (UM - SP) Indique a alternativa em que haja uma concordância realizada por silepse:
a) Os irmãos de Teresa, os pais de Júlio e nós, habitantes desta pacata região, precisaremos de muita força para sobreviver.
b) Poderão existir inúmeros problemas conosco devido às opiniões dadas neste relatório.
c) Os adultos somos bem mais prudentes que os jovens no combate às dificuldades.
d) Dar-lhe-emos novas oportunidades de trabalho para que você obtenha resultados mais satisfatórios.
e) Haveremos de conseguir os medicamentos necessários para a cura desse vírus insubordinável a qualquer tratamento.

07. (FEI) Assinalar a alternativa correta, correspondente à figuras de linguagem, presentes nos fragmentos abaixo:
I.   "Não te esqueças daquele amor ardente que já nos olhos meus tão puro viste."

II.  "A moral legisla para o homem; o direito para o cidadão."

III. "A maioria concordava nos pontos essenciais; nos pormenores porém, discordavam."

IV. "Isaac a vinte passos, divisando o vulto de um, pára, ergues a mão em viseira, firma os olhos."

a) anacoluto, hipérbato, hipálage, pleonasmo;
b) hipérbato, zeugma, silepse, assíndeto;
c) anáfora, polissíndeto, elipse, hipérbato;
d) pleonasmo, anacoluto, catacrese, eufemismo;
e) hipálage, silepse, polissíndeto, zeugma.

08. (FEBA - SP) Assinale a alternativa em que ocorre aliteração:
a) "Água de fonte .......... água de oceano ............. água de pranto. (Manuel Bandeira)
b) "A gente almoça e se coça e se roça e só se vicia." (Chico Buarque)
c) "Ouço o tique-taque do relógio: apresso-me então." (Clarice Lispector)
d) "Minha vida é uma colcha de retalhos, todos da mesma cor." (Mário Quintana)
e) N.d.a.

09. (CESGRANRIO) Na frase "O fio da idéia cresceu, engrossou e partiu-se" ocorre processo de gradação. Não há gradação em:
a) O carro arrancou, ganhou velocidade e capotou.
b) O avião decolou, ganhou altura e caiu.
c) O balão inflou, começou a subir e apagou.
d) A inspiração surgiu, tomou conta de sua mente e frustrou-se.
e) João pegou de um livro, ouviu um disco e saiu.

10. (FATEC) "Seus óculos eram imperiosos." Assinale a alternativa em que aparece a mesma figura de linguagem que há na frase acima:
a) "As cidades vinham surgindo na ponte dos nomes."
b) "Nasci na sala do 3° ano."
c) "O bonde passa cheio de pernas."
d) "O meu amor, paralisado, pula."
e) "Não serei o poeta de um mundo caduco."

 

GABARITO DOS EXERCÍCIOS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM

01. E     02. A     03. E     04. E    05. C     06. C     07. B     08. B  09. E     10.C

Exercícios sobre vírgula com gabarito

No post de hoje no qual a Ana Flor e o Fernando falaram sobre o dia mundial de combate às hepatites virais, eu falei também sobre o uso da vírgula. Abaixo, coloco  alguns exercícios sobre vírgula com gabarito.

1) Assinale a alternativa em que não ocorre erro de pontuação:
a. (      ) Cada livro, dele de parte, o estilo traz uma novidade.
b. (      ) Cada livro dele, de parte o estilo traz, uma novidade.
c. (      ) Cada livro, dele de parte, o estilo, traz uma novidade.
d. (      ) Cada livro, dele, de parte, o estilo traz uma novidade.
e. (      ) Cada livro dele, de parte o estilo, traz uma novidade.

2) Assinale a letra que corresponde ao período de pontuação correta:
a. (      ) A velhice ridícula é, porventura, a mais triste e derradeira surpresa da natureza humana.
b. (      ) A velhice ridícula é porventura a mais triste e, derradeira surpresa da natureza humana.
c. (      ) A velhice ridícula é, porventura a mais triste, e derradeira surpresa da natureza humana.
d. (      ) A velhice ridícula é porventura, a mais triste e, derradeira surpresa da natureza humana.
e. (      ) A velhice ridícula é, porventura, a mais triste e, derradeira surpresa da natureza humana.

GABARITO DOS EXERCÍCIOS SOBRE VÍRGULA

1) E, 2) A

Exercício de concordância nominal – flexão nominal

O exercício abaixo complementa os posts publicados no blog Quero Aprender Português. Lá, falei sobre a importância de dominar conceitos básicos de concordância para evitar deslizes gramaticais. Faça-o para se preparar melhor para os vestibulares que vêm por aí.

Visite os posts onde abordo a teoria que ajuda a resolver os exercícios abaixo:

Aproveite e visite também o blog Análise de Textos e faça mais uma centena de exercícios de português com gabarito.

EXERCÍCIO DE CONCORDÂNCIA MONINAL

Complete as frases seguintes com a forma apropriada do termo entre parênteses.

a)  Eles (*) comunicaram à atriz que ela (*) teria de tomar as providências necessárias. (mesmo/mesmo)
b) As funcionárias garantiram que elas (*) iriam fiscalizar para que seus documentos seguissem (*) à ficha de cadastro. (mesmo/anexo)
c)  A foto pedida segue (*) à ficha de cadastro. (incluso)
d)  Favor enviar (*) os documentos solicitados. (anexo)
e) - Muito (*)! - disseram os rapazes. - Estamos (*) agora! (obrigado/quite)
f) - Muito (*). - agradeceu a moça com um sorriso sem graça nos lábios. - Acho que é hora de eu (*) tomar uma atitude. (obrigado/próprio)
g)  - Eu (*) farei isso! - disse o rapaz. (próprio)
h) Apesar de tudo, nós (*) teremos de procurá-lo e dizer: "Muito (*) pela sua ajuda, senhor deputado! É o fim!" (mesmo/obrigado)

Gabarito DOS EXERCÍCIOS DE Concordância NOMINAL

a) mesmos/mesma
b) mesmas/anexos
c) inclusa
d) anexos
e) obrigados/quites
f) obrigada/própria
g) próprio
h) mesmos/obrigados

VISITE O BLOG DE ARQUIVOS PARA DOWNLOAD E BAIXE A VERSÃO “TXT” DESSE EXERCÍCIO

Exercícios de regência verbal – Troque o verbo

O exercício de regência verbal com gabarito abaixo é uma maneira de estudar para concursos, vestibulares e para o ENEM. Falei sobre esse assunto no post Como descobrir quais ventos são favoráveis no blog postado no blog Quero Aprender Português.

O exercício abaixo consiste em substituir a expressão destacada pela forma verbal apropriada do verbo entre parênteses. Você deverá fazer todas as demais modificações necessárias.

a)  Nunca sorvi perfume tão agradável! (aspirar)
b)  Queremos obter uma vida mais decente. (aspirar)
c)  Há adestradores que dizem ser pouco recomendável acariciar os filhotes de cães. (agradar)
d)  Ele fez tudo para satisfazer o inexorável sogro que Deus lhe deu. (agradar)
e)  Uma equipe médica foi formada para tratar o paciente. (assistir)
f)  Há anos não presencio uma partida tão empolgante. (assistir)
g)  Esse é um direito que pertence a todos nós. (assistir)
h) Ainda tenho de rubricar alguns papéis. (visar)
i) As últimas medidas tomadas têm como objetivo o saneamento das finanças. (visar)
j) Tenho grande afeição por ele. (querer)
i) Sempre cobicei um exemplar da primeira edição da História do Brasil, de Murilo Mendes. (querer)

Gabarito dos exercícios de regência verbal

a) ... aspirei perfume...
b) Aspiramos a uma vida...
c) ... agradar os filhotes...
d) ... agradar ao inexorável…
e) ... assistir o paciente (ou assistir ao paciente),
f) ... assisto a uma partida...
g) ... assiste a todos nós.
h) ... visar alguns papéis,
i) ... visam ao saneamento...
j) Quero-lhe muito.
i) ... quis um exemplar...

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito

Abaixo você verá um dos muitos exercícios sobre Arcadismo de nosso site. você poderá conferir outros através dos artigos relacionados logo abaixo deste post. Busque outros exercícios também pela caixa de busca e, se quiser, pelos marcadores de categorias que temos em cada post. Tudo isso para melhorar sua experiência de navegação por aqui.



Exercício de Literatura - Período do Arcadismo

"Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que vive de guardar alheio gado;
De tosco trato, de expressões grosseiro,
Dos frios gelado e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal e nele assisto
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.
Graças, Marília bela,
Graças à minha Estrela!"

O autor dos versos é: 

a) Gonçalves de Magalhães
b) Gonçalves Dias
c) Tomás Antônio Gonzaga
d) Álvares de Azevedo
e) Casimiro de Abreu

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 25

Todos os autores abaixo, relacionados pertencem à escola mineira do Arcadismo, exceto:

a) José Basílio da Gama.
b) Eusébio de Matos.
c) Manuel Inácio da Silva Alvarenga.
d) Tomás Antônio Gonzaga.
e) Frei José de Santa Rita Durão.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 24

Assinale a alternativa que NÃO apresenta um trecho do Arcadismo brasileiro.

a) "Se sou pobre pastor, se não governo
Reinos, nações, províncias, mundo, e gentes;
Se em frio, calma, e chuvas inclementes
Passo o verão, outono, estio, inverno;"

b) "Destes penhascos fez a natureza
O berço em que nasci! oh quem cuidara,
Que entre penhas tão duras se criara
Uma alma terna, um peito sem dureza!"

c) "Musas, canoras musas, este canto
Vós me inspirastes, vós meu tenro alento
Erguestes brandamente àquele assento
Que tanto, ó musas, prezo, adoro tanto."

d) "Meu ser evaporei na lida insana
Do tropel das paixões que me arrastava,
Ah! cego eu cria, ah! mísero eu sonhava
Em mim, quase imortal, a essência humana!"

e) "Não vês, Nise, este vento desabrido,
Que arranca os duros troncos ? Não vês esta,
Que vem cobrindo o Céu, sombra funesta,
Entre o horror de um relâmpago incendido?"

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 23

Sobre o Arcadismo no Brasil, é incorreto afirmar que:

a) Cláudio Manuel da Costa, um de seus autores mais importantes, embora tenha assumido uma atitude pastoril, traz, em parte de sua obra poética, aspectos ligados à lírica camoniana.
b) em "Liras de Marília de Dirceu", Tomás Antônio Gonzaga não segue aspectos formais rígidos, como o soneto e a redondilha em todas as partes da obra.
c) nas "Cartas Chilenas", o autor satiriza Luís da Cunha Menezes por suas arbitrariedades como governador da capitania de Minas.
d) Basílio da Gama, em "O Uraguai", seguiu a rígida estrutura camoniana de "Os Lusíadas", usando versos decassílabos em oitava-rima.
e) "Caramuru" tem, como tema principal, o descobrimento da Bahia por Diogo Álvares Correia, apresentando, também, os rituais e as tradições indígenas.

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 22

Sou Pastor; não te nego; os meus montados
São esses, que aí vês; vivo contente
Ao trazer entre a relva florescente
A doce companhia dos meus gados.

Os versos acima são exemplos

a) do espírito harmonioso da poesia arcádica.
b) do estilo tortuoso do período barroco.
c) do refinamento e da ostentação da poesia parnasiana.
d) do intento nacionalista na poesia romântica.
e) do humor e do lirismo dos primeiros modernistas.

Gabarito: A

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 21

Leia a estrofe de Tomás Antônio Gonzaga e faça o que se pede:

Os teus olhos espalham a luz divina,
A quem a luz do sol em vão se atreve;
Papoila ou rosa delicada e fina
Te cobre as faces, que são cor da neve.
Os teus cabelos são uns fios de ouro;
Teu lindo corpo bálsamo vapora.
Ah! não, não fez o Céu, gentil Pastora,
Para glória de amor igual Tesouro.
(TAG, MD, Parte I, Lira I)

Sobre a personagem central feminina, podemos afirmar que:

a) Marília é mostrada, ao mesmo tempo, como pessoa e como encarnação do Amor, como categoria absoluta.
b) Apesar da beleza deslumbrante da amada, não se verifica, na construção dessa personagem, qualquer idealização clássica da mulher.
c) O poeta dirige-se a Marília unicamente como sua noiva e futura esposa.
d) A beleza luxuriante de Marília contrasta com o ideal de serena fruição dos prazeres sadios da vida.
e) Marília, pela sua intensa sensualidade, representa o ideal de amante e não o de noiva ou esposa.

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 20

Fazendo um paralelo entre Romantismo e Arcadismo, podemos concluir que:

a) o Arcadismo prenuncia o Romantismo, porque já apresenta ruptura radical com os cânones literários clássicos.
b) o Arcadismo antecede o Romantismo na evasão da realidade pelo sonho, pela fantasia e pelo mergulho nas profundezas do "eu".
c) o Romantismo prolonga aspectos do Arcadismo na idealização da natureza, da mulher e do amor.
d) o Romantismo dá continuidade ao Arcadismo na atração pelos conflitos entre a alma e a matéria.
e) o Arcadismo e o Romantismo perseguem o ideal de expressão livre de esquemas pré-estabelecidos.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 19

Os autores de Vila Rica, Caramuru e Uruguai foram, respectivamente:

a) Cláudio Manuel da Costa, Santa Rita Jabotão e Graciliano Ramos.
b) Cláudio Manuel da Costa, J. de Santa Rita Durão e José Basílio da Gama.
c) Santa Rita Durão, Manuel Botelho de Oliveira e Adonias Filho.
d) José Basílio Gama, Nuno M. Pereira e Tomás Antônio Gonzaga.
e) Cônego Luís Vieira da Silva, Alvarenga Peixoto e Plínio Salgado.

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 18

Sobre o Arcadismo no Brasil, podemos afirmar que:

a) produziu obras de estilo rebuscado, pleno de antíteses e frases tortuosas, que refletem o conflito entre matéria e espírito.
b) não apresentou novidades, sendo mera imitação do que se fazia na Europa.
c) além das características européias, desenvolveu temas ligados à realidade brasileira, sendo importante para o desenvolvimento de uma literatura nacional.
d) apresenta, já, completa ruptura com a literatura européia, podendo ser considerado a primeira fase verdadeiramente nacionalista da literatura brasileira.
e) presente sobretudo em obras de autores mineiros como Tomás Antônio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Silva Alvarenga e Basílio da Gama, caracteriza-se como expressão da angústia metafísica e religiosa desses poetas, divididos entre a busca da salvação e o gozo material da vida.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 17

Em Literatura, um grupo de escritores, no século XVIII, defendeu o bucolismo, a necessidade de revalorização da vida simples, em contato com a natureza. Estamos fazendo referência aos escritores do:

a) ROMANTISMO, para quem, encontrar-se com a natureza significava alargar a sensibilidade.
b) ARCADISMO, propondo um retorno à ordem natural, como na literatura clássica, à medida que a natureza adquire um sentido de simplicidade, harmonia e verdade.
c) REALISMO, fugindo às exibições subjetivas e mantendo a neutralidade diante daquilo que era narrado; as referências à natureza eram feitas em terceira pessoa.
d) BARROCO, movimento que valorizava a tensão de elementos contrários, celebrando Deus ou as delícias da vida nas formas da natureza.
e) SIMBOLISMO quando estes escritores se mostravam mais emotivos, transformando as palavras em símbolos dos segredos da alma. A natureza era puro mistério.

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 16

Marília de Dirceu, famosa obra arcádica brasileira, inspirada em Maria Dorotéia de Seixas Brandão, foi escrita por:

a) Manuel Inácio da Silva Alvarenga.
b) Inácio José de Alvarenga Peixoto.
c) Tomás Antônio Gonzaga.
d) José Basílio da Gama.
e) Cláudio Manuel da Costa.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 15

Leia o fragmento de texto a seguir e faça o que se pede:

Esprema a vil calúnia muito embora
Entre as mãos denegridas, e insolentes,
Os venenos das plantas,
E das bravas serpentes.

Chovam raios e raios, no seu rosto
Não hás de ver, Marília, o medo escrito:
O medo perturbador,
Que infunde o vil delito.

[...]

Eu tenho um coração maior que o mundo.
Tu, formosa Marília, bem o sabes:
Eu tenho um coração maior que o mundo.
Tu, formosa Marília, bem o sabes:

Um coração .... e basta,
Onde tu mesma cabes.

(TAG, MD, Parte II, Lira II)

Sobre o fragmento de texto de Tomás Antônio Gonzaga, Marília de Dirceu, assinale a alternativa FALSA:

a) a interferência do mito na tessitura dos poemas, mantendo o poeta dentro dos padrões poéticos clássicos, impede-o de abordar problemas pessoais.
b) a interpelação feita a Marília muitas vezes é pretexto para o poeta celebrar sua inocência e seu destemor diante das acusações feitas contra ele.
c) a revelação sincera de si próprio e a confissão do padecimento que o inquieta levam o poeta a romper com o decálogo arcádico, prenunciando a poética romântica.
d) a desesperança, o abatimento e a solidão, presentes nas liras escritas depois da prisão do autor, revelam contraste com as primeiras, concentradas na conquista galante da mulher amada.
e) embora tenha a estrutura de um diálogo, o texto é um monólogo - só Gonzaga fala e raciocina.

Gabarito: A

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 14

Leia o texto a seguir e faça o que se pede:

Ornemos nossas testas com as flores
E façamos de feno um brando leito;
Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos amores.
Sobre as nossas cabeças,
Sem que o possam deter, o tempo corre,
E para nós o tempo, que se passa,
Também, Marília, morre.
(TAG, MD, Lira XIV)

Todas as alternativas a seguir apresentam características do Arcadismo, presentes na estrofe anterior, EXCETO:

a) Ideal de ÁUREA MEDIOCITAS, que leva o poeta a exaltar o cotidiano prosaico da classe média.
b) Tema do CARPE DIEM - uma proposta para se aproveitar a vida, desfrutando o ócio com dignidade.
c) Ideal de uma existência tranqüila, sem extremos, espelhada na pureza e amenidade da natureza.
d) Fugacidade do tempo, fatalidade do destino, necessidade de envelhecer com sabedoria.
e) Concepção da natureza como permanente reflexo dos sentimentos e paixões do "eu" lírico.

Gabarito: A

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 13

"Voltaram à baila os deuses esquecidos, as ninfas esquivas, as náiades, as oréades e os pastores enamorados, as pastoras insensíveis e os rebanhos numerosos das bucólicas de Teócrito e Virgílio."
(Ronald de Carvalho, PEQUENA HISTÓRIA DE LITERATURA BRASILEIRA)

O trecho acima refere-se ao seguinte movimento literário:
a) Romantismo.
b) Barroco.
c) Arcadismo.
d) Parnasianismo.
e) Naturalismo.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 12

Relacione as colunas:

1.Glauceste Satúrnio
2.Alcindo Palmirendo
3.Dirceu
4.Termindo Sipílio
5.Lereno

( ) Tomás Antônio Gonzaga
( ) Cláudio Manuel da Costa
( ) Basílio da Gama
( ) Caldas Barbosa
( ) Silva Alvarenga


a) 3, 1, 5, 2, 4
b) 3, 1, 4, 5, 2
c) 1, 2, 3, 4, 5
d) 3, 2, 4, 1, 5
e) 3, 1, 4, 2, 5

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 11

“A poesia parece fenômeno mais vivo e autêntico (...) por ter brotado de experiências humanas palpitantes”. (Ele) “é dos raros poetas brasileiros, certamente o único entre os árcades, cuja vida amorosa importa para a compreensão da obra.”

“O lírico ouvidor soltava os seus amores em liras apaixonadas, que tinham, naquele ambiente de Vila Rica, um sabor novo e raro.”

Assim a crítica literária tem-se manifestado sobre o poeta:
a) Cláudio Manuel da Costa
b) Tomás Antônio Gonzaga
c) Alvarenga Peixoto
d) Gonçalves de Magalhães
e) Basílio da Gama

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 10

Os autores árcades brasileiros apresentam uma obra divorciada das necessidades brasileiras, na segunda metade do século XVIII. Como processo de defesa à liderança do público, tais letrados criam:

a) poemas de profundo subjetivismo;
b) os contos regionais de mineração;
c) a dialética;
d) as academias;
e) a literatura romântica.

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 1

“Alguém há de cuidar que é frase inchada
Daquela que lá se usa entre essa gente
Que julga, que diz muito, e não diz nada.
O nosso humilde gênio não consente,
Que outra coisa se diga mais, que aquilo
Que só convém ao espírito inocente.”

Os versos de Cláudio Manuel da Costa lembram o fato de que:

a) a expressão exata, contida, que busca os limites do essencial, é traço da literatura colonial brasileira e dos primeiros movimentos estéticos pós-Independência.
b) o Barroco se esforçou por alcançar uma expressão rigorosa e comedida, a fim de espelhar os grandes conflitos do homem.
c) o Arcadismo, buscando simplicidade, se opôs à expressão intrincada a aos excessos do cultismo do Barroco.
d) o Romantismo, embora tenha refugado os rigores do formalismo neo-clássico, tomou por base o sentimentalismo originário desse movimento estético.
e) o Romantismo negou os rigores da expressão clássica e lusitana, mas incorporou a tradição literária da poesia colonial.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 8

Texto I

“É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.”

Texto II

“Depois que nos ferir a mão da morte,
ou seja neste monte, ou noutra serra,
nossos corpos terão, terão a sorte
de consumir os dous a mesma terra.”

O texto I é barroco; o texto II é arcádico. Comparando-os, é possível afirmar que os árcades optaram por uma expressão:

a) impessoal e, portanto, diferenciada do sentimentalismo barroco, em que o mundo exterior era projeção do caos interior do poeta.
b) despojada das ousadias sintáticas da estética anterior, com predomínio da ordem direta e de vocábulos de uso corrente.
c) que aprofunda o naturalismo da expressão barroca, fazendo que o poeta assuma posição eminentemente impessoal.
d) em que predominam, diferentemente do Barroco, a antítese, a hipérbole, a conotação poderosa.
e) em que a quantidade de metáforas e de torneios de linguagem supera a tendência denotativa do Barroco.

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 7

Apontar a alternativa correta:

a) Tomás Antônio Gonzaga cultivou a poesia satírica em O Desertor.
b) Na obra Cartas Chilenas, temos uma sátira contra a administração de Luís da Cunha Menezes.
c) Nessa obra o autor se disfarça sob o nome de “Doroteu”
d) Para maior disfarce, o autor de Cartas Chilenas faz passar a ação na cidade do Rio de Janeiro.
e) Tomás Antônio Gonzaga tinha o pseudônimo de “Doroteu”.

Gabarito: B

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 6

Qual dessas afirmações não caracterizava a poesia arcádica realizada no Brasil no século XVIII?

a) Procurava-se descrever uma atmosfera denominada locus amoenus.
b) A poesia seguia o lema de “cortar o inútil” do texto.
c) As amadas eram ninfas, lembrando a mitologia grega e romana.
d) Os poetas da época não se expressaram no gênero épico.
e) Diversos poemas foram dedicados a reis e rainhas, e tinham um objetivo político.

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 5

Considere as afirmativas sobre Barroco e o Arcadismo:

1. Simplificação da língua literária – ordem direta – imitação dos antigos gregos e romanos.
2. Valorização dos sentidos – imaginação exaltada – emprego dos vocábulos raros.
3. Vida campestre idealizada como verdadeiro estado de poesia-clareza-harmonia.
4. Emprego freqüente de trocadilhos e de perífrases – malabarismos verbais – oratória.
5. Sugestões de luz, cor e som – antítese entre a vida e a morte – espírito cristão antiterreno.

Assinale a opção que só contém afirmativas sobre o Arcadismo:
a) 1, 4 e 5
b) 2, 3 e 5
c) 2, 4 e 5
d) 1 e 3
e) 1, 2 e 5

Gabarito: D

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 4

O Arcadismo, didaticamente, inicia-se, no Brasil, em 1768:

a) com a fundação de Arcádia de Lusitana.
b) com a publicação de poemas de Cláudio Manuel da Costa (em Lisboa) e pela fundação da Arcádia Ulissiponense.
c) com a publicação dos poemas de Cláudio Manuel da Costa (em Lisboa) e pela fundação da Arcádia Ultramarina.
d) pela vinda da família real para o Brasil.
e) nenhuma das anteriores.

Gabarito: C

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 3

(Fuvest) - I. "Porque não merecia o que lograva,
Deixei, como ignorante, o bem que tinha,
Vim sem considerar aonde vinha,
Deixei sem atender o que deixava."

II."Se a flauta mal cadente
Entoa agora o verso harmonioso,
Sabei, me comunica este saudoso
Influxo a dor veemente;
Não o gênio suave,
Que ouviste já no acento agudo e grave."

III."Da delirante embriaguez de bardo
Sonhos em que afoguei o ardor da vida,
Ardente orvalho de febris pranteios,
Que lucro à alma descrida?"

Cada estrofe, a seu modo, trabalha o tema de um bem, de um amor almejado e passado ou perdido. Avaliando atentamente os recursos poéticos utilizados em cada uma delas podemos dizer que os movimentos literários a que pertencem I, II e III são respectivamente:

a) barroco - arcadismo - romantismo.
b) barroco - romantismo - parnasianismo.
c) romantismo - parnasianismo - simbolismo.
d) romantismo - simbolismo - modernismo.
e) parnasianismo - simbolismo - modernismo.

Gabarito: A

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 2

2) (UF - PR) - "Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que vive de guardar alheio gado;
De tosco trato, de expressões grosseiro,
Dos frios gelado e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal e nele assisto
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.

Graças, Marília bela,
Graças à minha Estrela!"

O texto tem traços que caracterizam o período literário ao qual pertence. Uma qualidade patente nesta estrofe é:
a) o bucolismo;
b) o misticismo;
c) o nacionalismo;
d) o regionalismo;
e) o indianismo.

Gabarito: A

Exercício de Literatura sobre Arcadismo com gabarito - 1

1) (UF - PR) - "Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que vive de guardar alheio gado;
De tosco trato, de expressões grosseiro,
Dos frios gelado e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal e nele assisto
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.

Graças, Marília bela,
Graças à minha Estrela!"

A presente estrofe reflete a temática predominante no período:
a) romântico
b) parnasiano
c) arcádico
d) simbolista
e) modernista

Gabarito: C

8 ótimos exercícios de advérbio com gabarito

Neste post você encontrará 8 ótimos exercícios de Língua Portuguesa sobre advérbio. Como vocês já sabem, o advérbio é a classe gramatical que acompanha e modifica o verbo, o adjetivo e o próprio advérbio. Bons estudos.

1) (PUC) - No período:

"Da própria garganta saiu um grito de admiração, que Cirino acompanhou, embora com menos entusiasmo",

A palavra destacada expressa uma idéia de:
a) explicação.
b) concessão.
c) comparação.
d) modo.
e) conseqüência.

2) (Uelondrina 1999) - A frase em que as palavras em maiúsculo pertencem à mesma classe gramatical é:
a) Hoje eu O vi empurrando O carro que acabou de comprar do irmão.
b) Os canteiros de flores COLORIDAS eram o ENCANTO daquela pracinha.
c) Era SEMPRE atraente, mas naquele MOMENTO pareceu-lhe deslumbrante.
d) Pensou em sair DALI DEPRESSA, mas ela o reteve mais um pouco.
e) Naquele CORRE-CORRE nada mais se ACHAVA no lugar.

3) (Unirio 1999) - A partida dos homens

1 Aproximou-se da janela, sentiu frio nos ombros nus, olhou a terra onde as plantas viviam quietas. O globo movia-se e ela estava sobre ele de pé. Junto a uma janela, o céu por cima, claro, infinito. Era inútil abrigar-se na dor de cada caso, revoltar-se contra os acontecimentos, porque os fatos eram apenas um rasgão no vestido, de novo a seta muda indicando o fundo das coisas, um rio que seca e deixa ver o leito nu.
2 A frescura da tarde arrepiou sua pele, Joana não conseguiu pensar nitidamente - havia alguma coisa no jardim que a deslocava para fora de seu centro, fazia-a vacilar... Ficou de sobreaviso. Algo tenta mover-se dentro dela, respondendo, e pelas paredes escuras de seu corpo subiam ondas leves, frescas, antigas. Quase assustada, quis trazer a sensação à consciência, porém cada vez mais era arrastada para trás numa doce vertigem, por dedos suaves. Como se fosse de manhã. Perscrutou-se, subitamente atenta como se tivesse avançado demais. De manhã?
3 De manhã. Onde estivera alguma vez, em que terra estranha e milagrosa já pousara para agora sentir-lhe o perfume? Folhas secas sobre a terra úmida. O coração apertou-se-lhe devagar, abriu-se, ela não respirou um momento esperando... Era de manhã, sabia que era de manhã... Recuando como pela mão frágil de uma criança, ouviu, abafado como em sonho, galinhas arranhando a terra. Uma terra quente, seca... o relógio batendo tin-dlen...tin...dlen... o sol chovendo em pequenas rosas amarelas e vermelhas sobre as casas... Deus, o que era aquilo senão ela mesma? mas quando? não sempre...
4 As ondas cor-de-rosa escureciam, o sonho fugia. Que foi que perdi? que foi que perdi? Não era Otávio, já longe, não era o amante, o homem infeliz nunca existira. Ocorreu-lhe que este deveria estar preso, afastou o pensamento impaciente, fugindo, precipitando-se... Como se tudo participasse da mesma loucura, ouviu subitamente um galo próximo lançar seu grito violento e solitário. Mas não é de madrugada, disse trêmula, alisando a testa fria... O galo não sabia que ia morrer! O galo não sabia que ia morrer! Sim, sim: papai que é que eu faço? Ah, perdera o compasso de um minueto... Sim... o relógio batera tin-dlen, ela erguera-se na ponta dos pés e o mundo girava muito mais leve naquele momento. Havia flores em alguma parte? e uma grande vontade de se dissolver até misturar seus fios com o começo das coisas. Formar uma só substância, rósea e branda - respirando mansamente como um ventre que se ergue e se abaixa, que se ergue e se abaixa... (...)
Clarice Lispector - (PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM)

Em "A frescura DA TARDE arrepiou sua pele," (par.2), a expressão em maiúsculo funciona como agente do elemento nominal anterior. Em que trecho destacado o mesmo tipo de estruturação se repete?
a) "sentiu frio NOS OMBROS NUS," (par.1)
b) "... e ela estava sobre ele DE PÉ." (par.1)
c) "Era inútil abrigar-se na dor DE CADA CASO," (par.1)
d) "quis trazer a sensação À CONSCIÊNCIA," (par.2)
e) "Havia flores EM ALGUMA PARTE?" (par.4)

4) (Fuvest 1999) - O espectador de olhar imediatista talvez tenha dificuldade para apreender a principal qualidade de KENOMA. Tal mérito não ocupa a tela de modo escancarado, mas por meio do acúmulo de imagens. É preciso aceitar o ritmo cadenciado e os silêncios da narrativa para perceber a sintonia da direção com o ambiente retratado - um grotão esquecido do Brasil, registrado por uma câmera realista, às vezes documental, mas com toques lúdicos. Mérito significativo em se tratando de um relato de investigação sobre uma realidade social e geográfica distante dos realizadores. Ainda mais em uma época tomada por filmes cujo ritmo acelerado impede a permanência das imagens na retina e a apreensão de seus significados após a sessão.
(ÉPOCA, 31/08/98, p. 89)

No 2o. período do texto, o advérbio NÃO localizar-se-ia melhor se posto imediatamente antes do elemento que está negando:
a) tal mérito.
b) a tela.
c) de modo escancarado.
d) por meio do acúmulo.
e) de imagens.

5) (Uelondrina 1996) - O rapaz QUE O procurou SÓ queria saber seu novo endereço.

Os termos em destaque são, respectivamente,
a) conjunção integrante - pronome pessoal - advérbio.
b) pronome relativo - pronome pessoal - advérbio.
c) conjunção integrante - pronome pessoal - adjetivo.
d) conjunção integrante - artigo - advérbio.
e) pronome relativo - artigo - adjetivo.

6) (Uelondrina 1994) - Pergunta-se QUANTOS são AO CERTO OS que foram premiados.
As classes a que pertencem as expressões em destaque na frase acima são, respectivamente,
a) advérbio de intensidade, locução prepositiva, artigo definido.
b) pronome interrogativo, advérbio de modo, artigo definido.
c) advérbio de intensidade, locução prepositiva, pronome demonstrativo.
d) pronome interrogativo, locução adverbial, pronome demonstrativo.
e) pronome indefinido, locução adverbial, artigo definido.

7) (Puccamp 1995) - A questão da descriminalização das drogas se presta a freqüentes simplificações de caráter maniqueísta, que acabam por estreitar um problema extremamente complexo, permanecendo a discussão quase sempre em torno da droga que está mais em evidência.
Vários aspectos relacionados ao problema (abuso das chamadas drogas lícitas, como medicamentos, inalação de solventes, etc.) ou não são discutidos, ou não merecem a devida atenção. A sociedade parece ser pouco sensível, por exemplo, aos problemas do alcoolismo, que representa a primeira causa de internação da população adulta masculina em hospitais psiquiátricos. Recente estudo epidemiológico realizado em São Paulo apontou que 8% a 10% da população adulta apresentavam problemas de abuso ou dependência de álcool. Por outro lado, a comunidade mostra-se extremamente sensível ao uso e abuso de drogas ilícitas, como maconha, cocaína, heroína, etc.
Dois grupos mantêm acalorada discussão. O primeiro acredita que somente penalizando traficantes e usuários pode-se controlar o problema, atitude essa centrada, evidentemente, em aspectos repressivos.
Essa corrente atingiu o seu maior momento logo após o movimento militar de 1964. Seus representantes acreditam, por exemplo, que "no fim da linha" usuários fazem sempre um pequeno comércio, o que, no fundo, os igualaria aos traficantes, dificultando o papel da Justiça. Como solução, apontam, com freqüência, para os reconhecidamente muito dependentes, programas extensos a serem desenvolvidos em fazendas de recuperação, transformando o tratamento em um programa agrário.
Na outra ponta, um grupo "neoliberal" busca uma solução nas regras do mercado. Seus integrantes acreditam que, liberando e taxando essas drogas através de impostos, poderiam neutralizar seu comércio, seu uso e seu abuso. As experiências dessa natureza em curso em outros países não apresentam resultados animadores.
Como uma terceira opção, pode-se olhar a questão considerando diversos ângulos. O usuário eventual não necessita de tratamento, deve ser apenas alertado para os riscos. O dependente deve ser tratado, e, para isso, a descriminalização do usuário é fundamental, pois facilitaria muito seu pedido de ajuda. O traficante e o produtor devem ser penalizados. Quanto ao argumento de que usuários vendem parte do produto: é fruto de desconhecimento de como se dão as relações e as trocas entre eles.
Duplamente penalizados, pela doença (dependência) e pela lei, os usuários aguardam melhores projetos, que cuidem não só dos aspectos legais, mas também dos aspectos de saúde que são inerentes ao problema.
(Adaptado de Marcos P. T. Ferraz, Folha de São Paulo)

A alternativa em que o advérbio exprime idéia de INTENSIDADE é:
a) a sociedade parece ser pouco sensível.
b) usuários fazem sempre um pequeno comércio.
c) ... atitude essa centrada, evidentemente, em aspectos repressivos.
d) ... somente penalizando traficantes e usuários.
e) ... duplamente penalizados.

8) (Ufu 1999) - Em todas as alternativas a palavra em destaque indica circunstância de tempo, EXCETO:
a) "Mas Eduardo tampouco estava de acordo e era uma opinião de peso, JÁ que o comerciante concorda em dividir as despesas do enterro." (J. Amado)
b) "Ao seu lado, solidários na dor e na cabeça, vagabundos diversos faziam coro às suas lamentações e suspiros. JÁ tivera conhecimento da notícia, compreendeu Curió ao ver a cena." (J. Amado)
c) "Chegara o tempo do merecido descanso. JÁ poderia falar livremente de Joaquim Soares da Cunha, louvar-lhe a conduta de funcionário, esposo e pai." (J. Amado)
d) "Mas JÁ estavam atrasados para a peixada de Mestre Manuel e o jeito, daí a pouco, foi despertar Quincas." (J. Amado)
e) "A pergunta coçava-lhe a garganta, não resistiu: - O padre JÁ veio?." (J. Amado)

Gabarito dos Exercícios de Língua Portuguesa

1- B
2- D
3- C
4- C
5- B
6- D
7- A
8- A

24 exercícios de Português com gabarito

Abaixo você encontrará 24 exercícios de Língua Portuguesa de um dos principais vestibulares do país: FUVEST. Todos os exercícios de Língua Portuguesa vêm com gabarito para que você possa conferir ao final das atividades. Bons estudos.

1)  “Os ritos semibárbaros dos Piagas,
Cultores de Tupã, e a terra virgem
Donde como dum tronco enfim se abriram
Da cruz de Cristo os piedosos braços;
As festas e batalhas mal sangradas
Do povo americano, agora extinto,
Hei de cantar na lira.
Cantor modesto e humilde,
A fronte não cingi de mirto e louro,
Antes de verde rama engrinaldei-a,
De agrestes flores enfeitando a lira;
Não me assentei nos cismos do Parnaso.
(...)
Cantor das selvas, entre bravas matas
Áspero tronco da palmeira escolho.”

O poema de que se extraiu o texto acima pode ser considerado, sob o ponto de vista da “escola” literária ou estilo de época, como:
a) arcaico.
b) pré-modernista.
c) arcádico.
d) simbolista.
e) romântico.

2)  “Os ritos semibárbaros dos Piagas,
Cultores de Tupã, e a terra virgem
Donde como dum tronco enfim se abriram
Da cruz de Cristo os piedosos braços;
As festas e batalhas mal sangradas
Do povo americano, agora extinto,
Hei de cantar na lira.
Cantor modesto e humilde,
A fronte não cingi de mirto e louro,
Antes de verde rama engrinaldei-a,
De agrestes flores enfeitando a lira;
Não me assentei nos cismos do Parnaso.
(...)
Cantor das selvas, entre bravas matas
Áspero tronco da palmeira escolho.”

Nos versos acima, o autor promete cantar:
a) As batalhas incruentas entre indígenas e americanos.
b) A terra de Santa Cruz, não extinta.
c) A cultura e o ambiente do povo indígena.
d) A realeza dos ritos, mirtos e louros semibárbaros.
e) As flores agrestes dos píncaros do Parnaso.

3)  “Os ritos semibárbaros dos Piagas,
Cultores de Tupã, e a terra virgem
Donde como dum tronco enfim se abriram
Da cruz de Cristo os piedosos braços;
As festas e batalhas mal sangradas
Do povo americano, agora extinto,
Hei de cantar na lira.
Cantor modesto e humilde,
A fronte não cingi de mirto e louro,
Antes de verde rama engrinaldei-a,
De agrestes flores enfeitando a lira;
Não me assentei nos cismos do Parnaso.
(...)
Cantor das selvas, entre bravas matas
Áspero tronco da palmeira escolho.”

No verso Não me assentei nos cismos do Parnaso, pode-se dizer que o poeta:
a) Critica o parnasianismo brasileiro.
b) Não aceita os princípios do realismo-naturalismo.
c) Rejeita a temática sentimentalista.
d) Despreza a inspiração divina.
e) Recusa-se a seguir os cânones do classicismo.

4)  “Os ritos semibárbaros dos Piagas,
Cultores de Tupã, e a terra virgem
Donde como dum tronco enfim se abriram
Da cruz de Cristo os piedosos braços;
As festas e batalhas mal sangradas
Do povo americano, agora extinto,
Hei de cantar na lira.
Cantor modesto e humilde,
A fronte não cingi de mirto e louro,
Antes de verde rama engrinaldei-a,
De agrestes flores enfeitando a lira;
Não me assentei nos cismos do Parnaso.
(...)
Cantor das selvas, entre bravas matas
Áspero tronco da palmeira escolho.”

No texto, os termos cingi, engrinaldei e agrestes podem ser entendidos como:
a) Cindi, exultei, agressivas.
b) Citei, espalhei, agrícolas.
c) Circundei, adornei, rústicas.
d) Celebrei, ceifei, grosseiras.
e) Enchi, casei, bucólicas.

5)  “Os ritos semibárbaros dos Piagas,
Cultores de Tupã, e a terra virgem
Donde como dum tronco enfim se abriram
Da cruz de Cristo os piedosos braços;
As festas e batalhas mal sangradas
Do povo americano, agora extinto,
Hei de cantar na lira.
Cantor modesto e humilde,
A fronte não cingi de mirto e louro,
Antes de verde rama engrinaldei-a,
De agrestes flores enfeitando a lira;
Não me assentei nos cismos do Parnaso.
(...)
Cantor das selvas, entre bravas matas
Áspero tronco da palmeira escolho.”

Dentre as seguintes palavras extraídas do fragmento acima, indique aquela que tenha um sentido oposto ao de suave :
a) áspero.
b) virgem.
c) extinto.
d) modesto.
e) humilde.

6)  Leia com atenção:
"Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim,
Quero que a estrofe cristalina,
Dobradas ao jeito
Do ouvires, saia da oficina
Sem um defeito."
(Olavo Bilac, "Profissão de Fé", Poesias)

Nos versos acima, a atividade poética é comparada ao lavor do ourives, porque, para o autor:
a) A poesia é preciosa como um rubi.
b) O poeta é um burilador.
c) Na poesia não pode faltar a rima.
d) O poeta não se assemelha a um artesão.
e) O poeta emprega a chave de ouro.

7)  Leia com atenção:
"Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim,
Quero que a estrofe cristalina,
Dobradas ao jeito
Do ouvires, saia da oficina
Sem um defeito."
(Olavo Bilac, "Profissão de Fé", Poesias)

Pode-se inferir do texto acima que, para Olavo Bilac, o ideal de forma literária é:
a) A libertação.
b) A isometria.
c) A estrofação.
d) A rima.
e) A perfeição.

8)  Leia com atenção:
"Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim,
Quero que a estrofe cristalina,
Dobradas ao jeito
Do ouvires, saia da oficina
Sem um defeito."
(Olavo Bilac, "Profissão de Fé", Poesias)

Dentre as seguintes passagens, extraídas de poemas de outros autores, assinale aquela que pode ser considerada um reiteração da proposta contida no fragmento de "Profissão de Fé":
a) "Este verso, apenas um arabesco / em torno do elemento essencial - inatingível."
b) "Assim eu quereria o meu último poema / Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais".
c) "Musa ! (...) dá-me o hemistíquio d'ouro, a imagem atrativa, / A rima (...) / a estrofe limpa e viva."
d) "Mundo mundo vasto mundo, / se eu me chamasse Raimundo / seria uma rima, não seria uma solução."
e) "Catar feijão se limita com escrever: / joga-se os grãos na água do alguidar / e as palavras na da folha de papel".

9)  Leia com atenção:
"Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim,
Quero que a estrofe cristalina,
Dobradas ao jeito
Do ouvires, saia da oficina
Sem um defeito."
(Olavo Bilac, "Profissão de Fé", Poesias)

Indique, dentre os versos abaixo, aquele que, sob o ponto de vista da métrica, tem a mesma contagem de sílabas do verso: Do ourives, saia da oficina :
a) "A natureza apática esmaece"
b) "Minha terra tem palmeiras"
c) "Dobra o sino ... soluça um verso de Dirceu..."
d) "Não morrerás, deusa sublime!"
e) "São Paulo ! comoção de minha vida ..."

10)  Leia atentamente:
(...)
"Penetra surdamente no reino das palavras
Lá estão os poemas que esperam ser escritos."
(...)
"Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres :
Trouxeste a chave ?"
("Procura da Poesia")

Os trechos do poema acima indicam:
a) Uma poética simbolista.
b) Um poema metrificado.
c) Fragmento de um soneto.
d) Um poema em prosa.
e) Uma composição de versos livres.

11)  Leia atentamente:
(...)
"Penetra surdamente no reino das palavras
Lá estão os poemas que esperam ser escritos."
(...)
"Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres :
Trouxeste a chave ?"
("Procura da Poesia")

Pelos trechos apresentados, pode-se afirmar que é condição básica da atividade poética:
a) Decifrar o sentido latente das palavras.
b) Purificar as palavras para se obter uma expressão perfeita.
c) Conter na fragilidade das palavras a tempestuosidade da vida.
d) Descrever o lado obscuro das palavras ambíguas.
e) Fazer uma poesia baseada no ritmo e na musicalidade.

12)  Leia atentamente:
(...)
"Penetra surdamente no reino das palavras
Lá estão os poemas que esperam ser escritos."
(...)
"Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres :
Trouxeste a chave ?"
("Procura da Poesia")

Os trechos do poema acima representam:
a) Um conselho ao jovem poeta para que observe as regras da gramática.
b) Um convite para explorar os valores virtuais e imanentes das palavras.
c) Um apelo para que as pessoas somente façam poesia quando de posse da chave de ouro.
d) A valorização do dicionário para o conhecimento das palavras.
e) Uma colocação cética quanto à inacessibilidade da poesia.

13)  Leia atentamente:
(...)
"Penetra surdamente no reino das palavras
Lá estão os poemas que esperam ser escritos."
(...)
"Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres :
Trouxeste a chave ?"
("Procura da Poesia")

As características dos fragmentos acima apresentados, permitem classificar o poeta como :
a) Parnasiano.
b) Intimista e filosófico.
c) Modernista.
d) Regionalista.
e) Simbolista.

14)  Leia atentamente:
"Nas carreiras em que o número inscritos for inferior ao triplo do número de vagas oferecidas, todos os candidatos inscritos serão convocados para a 2.ª fase, independentemente do comparecimento à 1.ª fase ou do resultado obtido."

(Manual de informações da FUVEST, 1980)

Segundo o texto acima, pode-se dizer que:
a) Todos os candidatos serão convocados para a 2.ª fase, independentemente do resultado obtido na prova da 1.ª fase.
b) Serão impedidos de comparecer à prova da 1.ª fase os candidatos às carreiras em que o número de inscritos for inferior ao triplo do número de vagas.
c) Os candidatos serão convocados tanto na 1.ª quanto na 2.ª fase, desde que correspondam à terça parte do total de inscritos.
d) O candidato pode comparecer tão somente à 2.ª fase dos exames, desde que, na carreira por ele escolhida, o número de inscritos não seja superior ao triplo do número de vagas.
e) O número de vagas oferecidas na 2.ª fase é o triplo do número oferecido na 1.ª fase, independentemente das notas obtidas na carreira escolhida.

15)  Assinale o período que está pontuado corretamente:
a) Solicitamos aos candidatos que respondam às perguntas a seguir, importantes para efeito de pesquisas relativas aos vestibulares.
b) Solicitamos aos candidatos, que respondam, às perguntas a seguir importantes para efeito de pesquisas relativas aos vestibulares.
c) Solicitamos aos candidatos, que respondam às perguntas, a seguir importantes para efeito de pesquisas relativas aos vestibulares.
d) Solicitamos, aos candidatos que respondam às perguntas a seguir importantes para efeito de pesquisas relativas aos vestibulares.
e) Solicitamos aos candidatos, que respondam às perguntas, a seguir, importantes para efeito de pesquisas relativas aos vestibulares.

16)  Indique a alternativa correta:
a) Preferia brincar do que trabalhar.
b) Preferia mais brincar a trabalhar.
c) Preferia brincar a trabalhar.
d) Preferia brincar à trabalhar.
e) Preferia mais brincar que trabalhar.

17)  Indique a alternativa correta:
a) Tratavam-se de questões fundamentais.
b) Comprou-se terrenos no subúrbio.
c) Precisam-se de datilógrafas.
d) Reformam-se ternos.
e) Obedeceram-se aos severos regulamentos.

18)  Em "Queria que me ajudasses", o trecho sublinhado pode ser substituído por:
a) A sua ajuda.
b) A vossa ajuda.
c) A ajuda de você.
d) A ajuda deles.
e) A tua ajuda.

19)  O termo sublinhado na frase "Outrora houve bondes em São Paulo" tem o mesmo sentido em:
a) O professor houve por bem reconsiderar a decisão.
b) Houve um desagradável incidente ontem.
c) Sempre houve homens de bem.
d) Não sei como ele se houve com a justiça.
e) O sentenciado houve do poder público a suspensão de sua pena.

20)  Indique a alternativa correta:
a) Filmes, novelas, boas conversas, nada o tiravam da apatia.
b) A pátria não é ninguém : são todos.
c) Se não vier as chuvas, como faremos?
d) É precaríssima as condições do prédio.
e) Vossa Senhoria vos preocupais demasiadamente com vossa imagem.

21)  Indique a alternativa correta:
a) O ladrão foi apanhado em flagrante.
b) Ponto é a intercessão de duas linhas.
c) As despesas da mudança serão vultuosas.
d) Assistimos a uma violenta coalizão de caminhões.
e) O artigo incerto na Revista das Ciências foi lido por todos nós.

22)  Dentre as seguintes opções, indique aquela que contenha somente termos de origem tupi:
a) Buquê, índio, taquara.
b) Arara, quiabo, micróbio.
c) Arar, futebol, fubá.
d) Xampu, macumba, saci.
e) Mandioca, cipó, peroba.

23)  Dentre as seguintes frases, assinale aquela que não contém ambigüidade:
a) Peguei o ônibus correndo.
b) Esta palavra pode ter mais de um sentido.
c) O guarda deteve o suspeito em sua casa.
d) O menino viu o incêndio do prédio.
e) Deputado fala da reunião no Canal 2.

24)  Em "O menino levou uma bronca!", a palavra sublinhada, termo de gíria empregado na fala popular e coloquial do Brasil, pode ser entendida como:
a) aversão.
b) repressão.
c) rejeição.
d) represália.
e) repreensão.

Gabarito das questões de Língua Portuguesa

1 E
2 C
3 E
4 C
5 A
6 B
7 E
8 C
9 D
10 E
11 A
12 B
13 C
14 D
15 A
16 C
17 D
18 E
19 C
20 B
21 A
22 E
23 B
24 E

Exercício de Literatura sobre Trovadorismo

Assinale a alternativa INCORRETA com relação à Literatura Portuguesa:

a) O ambiente das cantigas de amor é sempre o palácio, com o trovador declarando seu amor por uma dama (tratada de "senhor", isto é, senhora). Daí o relacionamento respeitoso, cortês, dentro dos mais puros padrões medievais que caracterizam a vassalagem, a servidão amorosa.
b) O teatro vicentino é basicamente caracterizado pela sátira, criticando o comportamento de todas as camadas sociais: a nobreza, o clero e o povo. Gil Vicente não tem preocupação de fixar tipos psicológicos, e sim a de fixar tipos sociais.
c) O marco inicial do Romantismo em Portugal é a publicação do poema "Camões". Todavia, a nova estética literária só viria a se firmar uma década depois, com a Questão Coimbrã, quando se aceitou o papel revolucionário da nova poesia e a independência dos novos poetas em relação aos velhos mestres.
d) Eça de Queirós, em sua obra, dedica-se a montar um vasto painel da sociedade portuguesa, retratada em seus múltiplos aspectos: a cidade provinciana; a influência do clero; a média e a alta burguesia de Lisboa; os intelectuais e a aristocracia.
e) A mais rica, densa e intrigante faceta da obra de Fernando Pessoa diz respeito ao fenômeno da heteronímia que deu aos poetas Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos biografias, características, traços de personalidade e formação cultural diferentes.

Gabarito: C